sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Falha em software da Realtek compromete dispositivos de dezenas de fabricantes

Uma falha no kit de desenvolvimento da companhia de semicondutores taiwanesa Realktek está sendo explorada ativamente por cibercriminosos, e coloca em risco dispositivos de dezenas de fabricantes ao redor do mundo. Segundo a empresa de segurança IoT Inspector, a brecha identificada com o código CVE-2021-35395 vem sendo alvo da botnet Mirai, especializada em comprometer a proteção de aparelhos conectados à internet.

A falha compromete mais de 200 dispositivos e roteadores Wi-Fi de 65 parceiros da Realtek, incluindo nomes como Asus, Belkin, China Mobile, D-Link, LGLogitech, Netgear, ZTE e Zyxel. Um ataque bem-sucedido do Mirai dá ao atacante controle completo sobre o módulo de conexão do aparelho afetado, bem como controle sobre seu sistema operacional.

Os pesquisadores da IoT Inspector afirmam que a brecha explorada está presente no módulo RTL819xD da Realtek, permitindo que um atacante ganhe acesso completo ao dispositivo e a outros aparelhos que compartilham sua rede. Enquanto a fabricante já lançou um patch de correção, sua distribuição depende da cooperação de suas parceiras — um grande desafio, já que muitos dos produtos vulneráveis sequer possuem interfaces de atualização.

Enquanto um atacante interessado em explorar o problema geralmente precisa estar ligado à mesma conexão de internet que o aparelho vulnerável, configurações mal feitas também podem expô-lo a ações de forma remota. A empresa de segurança afirma que criminosos já estão explorando a brecha, cujo uso foi detectado em uma série de ataques remotos registrados no dia 18 de agosto.

Imagem: Divulgação/Realtek

A IoT Inspector também faz um alerta quanto à maneira como a Realtek desenvolve seus produtos e sistemas. Segundo ela, a fabricante possui processos inadequados para a criação e testes de softwares, o que permite que “dezenas de questões de segurança críticas permaneçam intocadas em seu banco de dados por mais de uma década”.

Botnet atua em ataques DDoS

Enquanto a botnet pode comprometer os dados pessoais armazenados nos dispositivos, seu real objetivo é transformar os aparelhos infectados em pontos de origem de ataques de negação de serviço distribuídos (DDoS). Os aparelhos transformados em “zumbis” da rede são acionados para enviar pedidos de conexão a sites específicos que, devido à alta demanda que enfrentam, acabam se tornando inacessíveis enquanto a campanha persiste.

A Mirai é uma velha conhecida dos pesquisadores de segurança, tendo sido responsável em 2016 por um ataque contra a Dyn, serviço que administrava plataformas como o Github, Playstation Newtwork e o Twitter. Na época, três hackers responsáveis por gerenciar a botnet foram presos, mas se livraram de ter que passar tempo na prisão por colaborar com o FBI na investigação da ofensiva e de outros golpes digitais.

                                                                          FONTE:CANALTECH





0 comentários: