quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Mais de 770 mil cartões de crédito vazaram na web em 2020, afirma empresa

 Segundo dados coletados pela Apura, empresa brasileira que atua no ramo de threat intelligence (fornecimento de inteligência de ameaças cibernéticas), é crescente o número de fraudes financeiras registradas ao longo do Brasil e do mundo. A companhia afirma que, desde janeiro de 2020, mais de 770 mil cartões de crédito válidos teriam sido livremente compartilhados entre criminosos cibernéticos, podendo ser utilizados para fins malignos.



As estatísticas partem da BTT, solução da Apura que utiliza robôs para vasculhar a web, identificar riscos cibernéticos e organizá-los na forma de relatórios compreensíveis que podem ser utilizados por times de segurança para ajustar sua estratégia de proteção corporativa. Atualmente, a plataforma conta com mais de 300 milhões de eventos registrados, sendo adicionados, em média, 5 milhões de novos registros por dia.

Dentro do segmento de fraudes financeiras, o extravio e uso malicioso de cartões de crédito respondem por 58,74% de todos os eventos registrados. Em seguida, temos máquinas de cartão adulteradas (19,29%), cédulas falsas (8,18%), venda de kits para phishing (6,79%), conta laranja (2,85%), boletos falsos (2,82%), URA (0,84%) e fraudes envolvendo agentes internos (0,48%). São números perigosos sobretudo nas vésperas da Black Friday.

Quando levamos em conta o ranking geral de ameaças, os malwares continuam levando a medalha de ouro, representando 54% do total; logo após, as campanhas de phishing com 41% do montante. Assusta também a quantia de credenciais vazadas e domínios fraudulentos registrados por criminosos — foram mais de 26 milhões de logins comprometidos e 115 milhões de URLs fraudulentas.

Segundo Maurício Paranhos, diretor da Apura, o objetivo da plataforma é “dar aos clientes a visão mais ampla possível do bioma cibercriminoso no Brasil e no mundo, de forma a municiá-los com o máximo de informações, permitindo que tomem decisões com base em informações reais e se prepararem para lidar com as mais diversas ameaças, tais como golpes, fraudes, incidentes, vulnerabilidades, vazamentos e ataques cibernéticos”.

                                                                                        FONTE:CANALTECH


0 comentários: