sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Brasil sofreu mais de 8,4 bilhões de tentativas de ciberataques em 2020

O Brasil sofreu nada menos do que 8,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos ao longo de 2020, sendo que, desse montante, 5 bilhões ocorreram apenas nos últimos três meses do ano (outubro, novembro e dezembro). É isso que aponta o mais novo relatório do FortiGuard Labs, laboratório de ameaças da Fortinet, que recentemente terminou de analisar os registros de ofensivas digitais ocorridas ao longo do trimestre final da temporada passada.

No total, levando em consideração a América Latina como um todo, foram 41 bilhões de tentativas de ciberataques, incluindo campanhas de phishing — a companhia ressalta que os malwares baseados em web se destacaram durante tal período, abordando as vítimas através de e-mails maliciosos e direcionando-os para páginas que disseminam conteúdos infectados com as mais variadas pragas.

“O ano de 2020 demonstrou a capacidade dos criminosos de investir tempo e recursos em ataques mais lucrativos, como os de ransomware. Além disso, eles estão se adaptando à nova era de trabalho remoto com ações mais sofisticadas para enganar as vítimas e acessar redes corporativas”, afirma Alexandre Bonatti, diretor de engenharia da Fortinet Brasil.

Imagem: Reprodução/Fortinet

Chama atenção também o fato de que os criminosos estão utilizando técnicas cada vez mais avançadas para atingir seus alvos, incluindo inteligência artificial. “Vemos ainda uma tendência a ataques periféricos e não apenas à rede central. A utilização de dispositivos IoT [Internet das Coisas] e ambientes industriais de missão crítica são alguns exemplos de pontos de acesso para os criminosos”, continua Bonatti.

O especialista ressalta que, para 2021, a expansão das redes 5G deve aumentar ainda mais a superfície de ataques. “No lado dos negócios, é preciso incluir o poder da inteligência artificial e do aprendizado de máquina a plataformas de segurança que operem de forma integrada e automatizada na rede principal, em ambientes multi-cloud, em filiais e nas casas dos trabalhadores remotos”, finaliza o executivo.

Principais pontos do relatório

Eis as principais conclusões que a Fortinet tirou de seu mais recente estudo:

  •  O phishing continua sendo o vetor principal: e-mails falsos disseminam malwares capazes de acessar as máquinas remotamente, tirar screenshots, coletar informações e até mesmo empregar o computador para ataques de negação de serviço;
  •  O trabalho remoto virou porta de entrada: com os colaboradores descuidando da segurança em suas redes domésticas, tornou-se comum a exploração de fraquezas em roteadores residenciais com o objetivo de atingir a rede corporativa;
  •  Cuidado com as vulnerabilidades: foram registradas numerosas tentativas de ataques aos frameworks ThinkPHP e PHPUnit, que são amplamente usadas para desenvolvimento de aplicações web, mas possuem vulnerabilidades conhecidas em algumas de suas versões;
  •  IoT é um alvo constante: as botnets (redes de máquinas “zumbis”, usadas para ataques coordenados ou mineração de criptomoedas) estão cada vez mais interessadas em infectar dispositivos de Internet das Coisas (IoT), que costumam ser mais vulneráveis;
  •  Botnets antigas continuam presentes na América Latina: variantes que já “saíram de moda” lá fora, como Gh0st e Andromeda, ainda estão presentes em nosso continente. Elas podem ser evitadas com patches e atualizações regulares em seus sistemas.
  •                                                             
  •                                                                         FONTE:CANALTECH

0 comentários: